Blog

Liszt Rangel

Liszt Rangel

Liszt Rangel é jornalista, psicólogo, com atuação clínica, de base analítica, e historiador, com pesquisas acerca das Civilizações Antigas. Há quase 20 anos se dedica a estudar o Jesus Histórico e o Cristianismo Primitivo, realizando investigações na Europa, Oriente Médio e África. Como escritor, já publicou dez livros, sendo cinco livros na área da Psicologia.

Ao lado de Nerva, Trajano, Antonino Pio e Marco Aurélio, Adriano passou a ser reconhecido pela História como um dos cinco bons imperadores que Roma já teve. A teoria de Maquiavel, em O Príncipe os definiu como notáveis governantes por não terem necessitado de pretorianos violentos, nem de abusarem do poder imperial, tornando-se respeitados pelo exercício de suas qualidades e com isto foram amados pelo povo.

Adriano era filho de um primo de Trajano, o Imperador. Ele recebeu a superproteção da esposa de Trajano, a poderosa Pompeia Plotina, uma mulher sem filhos, respeitada perante a sociedade romana por suas virtudes e pela inteligência. Admiradora da poesia e da filosofia grega transmitiu a Adriano toda a sua visão sobre a cultura dos pensadores gregos.

O cenário é por demais encantador. Montanhas rochosas com mais de 2.700 m de altitude, um vale consagrado na aridez do deserto, bem distante do generoso rio Nilo. Não fosse o esforço de atravessar o Saara, saindo da cidade do Cairo, em uma viagem de 4 horas de carro, eu teria ficado sem um dos pontos mais importantes de minha pesquisa, o Mosteiro de Santa Catarina.

Quando se trata de sondar os mistérios que envolvem a morte de Jesus, qualquer pesquisador terá que responder a uma difícil pergunta: Onde ele teria sido sepultado?

A maioria dos fatos que envolvem a vida de Jesus é por demais contraditória. Isto se explica facilmente pela dificuldade de informações precisas e históricas no material que foi produzido com o nome de Evangelhos.

Para esta análise não me utilizarei senão como recursos basilares de investigação, das contraditórias passagens dos Evangelhos. De forma detalhada, a fim de facilitar a compreensão de um assunto por demais complexo e que ainda trata-se de um tabu, irei apresentar a controvertida hora do Gethsemani ou Getsêmani, envolta em muitos mistérios, sentimentos de angústia, dor moral e solidão que Jesus teria enfrentado antes mesmo de seu encontro com os sacerdotes, Anás e Caifás.

Atribui-se ao Buda o seguinte ensinamento, “quando o Homem ora, fala com Deus; quando o Homem medita, ouve Deus!” No caso de Moisés, ele nem orou, muito menos meditou. Ao que tudo indica, ele e Jeová eram bem mais íntimos.

A questão é por demais complexa. Inicialmente, ela tem profunda conexão com a natureza do nascimento de Jesus. Os dois evangelhos atribuídos a Mateus e Lucas descreveram a genealogia de Jesus de forma diferente. Mateus afirma que Jesus descendia de Abraão, mas Lucas a expandiu até Adão. Isto requer uma maior atenção para se compreender a perspectiva histórica e os fins políticos.

Logo de início, quando se ouvem as palavras Cristão e Cristianismo, deduz-se que elas possuem origem na palavra Cristo. A expressão é de origem grega, CHRISTUS e quer dizer, "o Ungido". Na tradição judaica, os seus reis Saul, Davi, Salomão foram ungidos por profetas. Seguindo a linha deste pensamento, se os cristãos desejavam convencer os judeus e, posteriormente os pagãos, que Jesus Cristo, morto na cruz, era o Rei de Israel, logo, deve ter existido uma unção para Jesus, o que se verifica no suposto batismo do rio Jordão realizado por João Batista. E João não foi colocado como profeta? Então, Jesus teve, também, um profeta a ungi-lo!

A expressão latina perversione, implica em tornar-se perverso, ter atitudes pervertidas. Até o século XIX, a sexologia havia usado o termo no sentido de desvio sexual (FERRAZ, 2000). Freud, inicialmente, via a perversão como algo sexualmente fantasioso ligado à fase pré-genital e que se encontrava recalcado. Havia feito, também, a relação entre a perversão e os desvios na área sexual. (FREUD,1996). Mas, ainda assim, pouco falou sobre perversão na clínica.

Página 4 de 5